quarta-feira, 7 de setembro de 2016

CERIMÔNIA JOGOS PARALÍMPICOS

Em sua 12ª participação em Jogos Paralímpicos, o país tem a sua maior delegação da história. Serão 287 atletas paralímpicos (185 homens e 102 mulheres), acompanhados de um elenco de apoio com atletas-guia (atletismo), calheiros (bocha), goleiros (futebol de 5), piloto (ciclismo), tratadores (hispismo) e oficiais técnicos.
Para a torcida brasileira, não faltam esperanças de medalha. O objetivo é ser melhor do que em Londres-2012, quando o Brasil ficou em sétimo com 43 pódios (21 ouros, 14 pratas e oito bronzes).



Daniel Dias é o fenômeno das piscinas. Na capital inglesa, ele conquistou seis medalhas de ouro. Países como Japão, Suíça e Argentina, por exemplo, não conseguiram chegar a essa marca. No Rio, Daniel — que nasceu com má formação congênita dos membros superiores e da perna direita — estará em ação em oito provas e terá grandes chances de aumentar sua coleção.
Também nas piscinas, o carioca André Brasil está na sua terceira edição de Jogos Paralímpicos. Depois de conquistar sete ouros e três pratas contando as participações em Pequim-2008 e Londres-2012, o nadador briga por pódio em oito provas em casa. André teve teve poliomielite aos três meses, por reação à vacina , o que lhe trouxe uma pequena sequela na perna esquerda.




A Rio-2016 também é a chance de assistir à performance de Clodoaldo Silva. Conhecido como ‘Tubarão Paralímpico’, com 13 medalhas na história dos Jogos, ele se prepara para sua quinta e última Paralimpíada, aos 37 anos. Clodoaldo teve paralisia cerebral por falta de oxigênio durante o parto, o que afetou os movimentos das pernas e lhe trouxe uma pequena falta de coordenação motora.

Shirlene Coelho (NA FOTO ACIMA) , atleta de lancamento de peso, dardo e disco, será a porta bandeira do Brasil

No Centro de Tênis, que encantou a torcida na Olimpíada, o piso emborrachado foi trocado pela grama sintética para receber o futebol de 5, exclusivo para cegos ou deficientes visuais. O Brasil é tricampeão paralímpico da modalidade e conta com dois dos melhores jogadores do mundo, Ricardinho e Jeffinho.
Na esgrima em cadeira de rodas, outra grande esperança: Jovane Gissone, que teve lesão na medula causada por disparo de arma de fogo durante um assalto, tenta repetir o ouro de Londres-2012.
Bicampeão paralímpico na bocha, Dirceu Pinto também chega ao Rio com a missão de defender seu título. Ele começou a jogar bocha em 2002, quando descobriu a extensão de uma doença degenerativa muscular.
Nas pistas, a grande estrela é a mineira Terezinha Guilhermina, que nasceu com retinose pigmentar (doença congênita que provoca a perda gradual da visão). Seu currículo já tem seis medalhas em Jogos Paralímpicos: três ouros, uma prata e dois bronzes.(NA FOTO ACIMA)
BEM PESSOAL OS JOGOS PARALÍMPICOS TEM SUA CERÍMONIA DE INICIO,NESSA QUARTA-FEIRA 7 SETEMBRO.A PARTIR DAS 18:15,NO MARACANÃ. NA TELEVISÃO SERÁ TRANSMITIDO PELO CANAL "TV. BRASIL". 

4 comentários:

  1. Uma pena essa abertura tão linda não estar sendo transmitida também na tv aberta para mostrar o real sentido de inclusão!

    http://www.babozeiras.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. barbara tbm concordo,acha uma grande falta de respeito com todos os competidores,e o publico.
      bjs

      Excluir
  2. Amei seu post, não vi a abertura mas parece que ela foi linda né <3
    Parabéns pelo blog, já estou seguindo para poder acompanhar as novidades

    www.papomoleca.com.br

    ResponderExcluir